Facebook contribui para criar postos de trabalho e receitas na Europa

2020-01-22 As plataformas da gigante Facebook - Facebook, WhatsApp, Instagram e Messenger - ajudaram mais de 7,7 mil negócios em mais de 15 países do espaço europeu, incluindo Portugal, a gerar vendas estimadas de 208 mil milhões de euros. E contribuíram para gerar 98 mil milhões de euros em exportações.  O que se traduziu na criação de 3,1 milhões de empregos. As estimativas, referentes a 2019, constam de um relatório da consultora Copenhagen Economics, elaborado para a gigante de Mark Zuckerberg.

Num comunicado do Facebook, garante-se que os números demonstram o papel importante que as redes sociais desempenham na promoção de vendas na Europa, sobretudo no caso das pequenas e médias empresas. Nestes casos, as redes sociais além de utilizadas para mostrar a empresa e os produtos, assumem-se como um relevante canal de comunicação com os clientes, assim como uma ferramenta de análise e insights e um meio de publicidade.

O estudo mostra que do valor total estimado em exportações, 59 mil milhões de euros foram em vendas dentro do espaço comunitário e 40 mil milhões nos restantes países. Destaca-se ainda a importância das redes sociais para as empresas fundadas por mulheres: 58% destas empresas dizem que as apps da gigante são importantes para iniciarem negócios e 65% garantem que as aplicações ajudam a aumentar as receitas.

Em análise estão ainda as práticas de publicidade da gigante


Bruxelas prepara pacote para o setor financeiro


Inspirado nos objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU


Presidente rotativo garante que grupo vai continuar a investir


Para trazer para o mercado arquiteturas e serviços de última geração


Nova área promete criar modelo rápido de migração para a cloud


Bruxelas quer tornar todas as aplicações públicas mais acessíveis em 2021


Lei dos Serviços Digitais deverá ser anunciada até final do ano


De acordo com estudo publicado pela CE sobre o potencial da transformação para a economia


Bruxelas quer mais investimentos e mais coordenação na Europa