Interatividade digital e IA mais sofisticada revolucionam empresas

2020-02-20 A convergência de várias tecnologias emergentes vai continuar a transformar profundamente as empresas e a forma de fazer negócios. E haverá cada vez mais sinergias entre as tecnologias digitais, a experiência humana e as cada vez mais sofisticada inteligência artificial. A conclusão é do "Tech Trends 2020", um estudo da Deloitte.

Nesta 11ª edição do estudo, que identifica as tendências tecnológicas com maior impacto nas empresas nos próximos 18 a 24 meses, antecipa-se uma crescente interatividade entre máquinas e pessoas, através de plataformas digitais que conseguem captar o contexto envolvente e ter uma resposta aproximada à de um ser humano. As novas ferramentas tecnológicas permitirão assim evitar a excessiva mecanização das respostas dadas pelos suportes tecnológicos nas empresas. Para facilitar a implementação das tecnologias, espera-se uma maior colaboração entre os diretores financeiros e digitais de cada organização, de forma a promover o financiamento de ideias inovadoras.

"A tecnologia é cada vez mais o principal elemento diferenciador dos negócios, sendo que à medida que surgem inovações cada vez mais poderosas, a sua presença e impacto aumenta. Os negócios melhor sucedidos serão os que conseguem combinar a tecnologia de ponta, como machine learning e IoT, com arquiteturas disruptivas e o talento adequado, para reinventar a forma como operam", salienta Rui Vaz, partner de Consultoria Tecnológica da Deloitte.

O Tech Trends 2020 destaca algumas das tendências que poderão criar novas oportunidades e desafios para as indústrias, nos próximos 18 a 24 meses. A começar pelos ‘digital twins', a ligação entre o físico e o digital. Com a tecnologia digital twin, as empresas poderão criar modelos virtuais cada vez mais sofisticados, que potenciam a otimização de sistemas, produtos e serviços, as organizações vão começar a integrar cada vez mais nos seus processos a tecnologia IoT, machine learning e infraestruturas informáticas avançadas para conseguir desenvolver novos modelos de negócio.

A arquitetura de sistemas vai tornar-se uma prioridade estratégica, quando as empresas começarem a redefinir o papel do arquiteto e torná-lo mais ágil, responsivo e colaborativo. Os arquitetos passarão, assim, a trabalhar de forma transversal ao negócio, juntamente com equipas de projeto não-técnicas, criando um importante fator diferenciador do ponto de vista da economia digital;

Outra tendência será a tecnologia ao serviço da ética e da confiança. As empresas começam a aperceber-se que a implementação de tecnologia pode ser uma oportunidade para ganhar ou perder confiança e, com isso, clientes e reputação de marca. Nos próximos anos, os CIOs vão, por isso, começar a atribuir importância à chamada ética tecnológica e criar processos que ajudem as empresas a resolver problemas éticos ligados às novas tecnologias.

O estudo destaca ainda as plataformas hiper-realistas. Para fazer face à excessiva mecanização nas interações digitais diárias, cada vez mais empresas estão a introduzir inteligência emocional nos seus sistemas tecnológicos, através de IA, como machine learning e reconhecimento facial e de voz, que conseguirá mais facilmente detetar e responder a interações humanas. Desta forma, será possível ter experiências digitais dotadas de emoção, que irão potenciar a ligação entre pessoas, sistemas, dados e produtos.

O poder financeiro e o futuro tecnológico é o último destaque do estudo. À medida que as empresas se tornam mais ágeis, os responsáveis financeiros terão de implementar novos modelos de trabalho, o que significa que CIOs e CFOs terão, em conjunto, de explorar como é que uma nova abordagem financeira poderá redefinir o futuro da inovação tecnológica.

"As tendências apontadas nesta edição do estudo vão contribuir ativamente para a disrupção de várias indústrias e redefinir o negócio e a forma de trabalhar ao longo da próxima década. O conhecimento das novas tecnologias e dos novos caminhos de inovação é parte importante do processo de tomada de decisão numa empresa e contribui para a sua diferenciação num ecossistema cada vez mais competitivo", destaca Nuno Carvalho, partner de Consultoria Tecnológica da Deloitte.

Para ajudar empresas e produtores no combate ao coronavírus


Com cursos online, para universidades e programa Young Thinkers


Em parceria com o governo norte-americano e outras tecnológicas


Encorajando developers a criar novas soluções


Correção das vulnerabilidades só deverá acontecer em meados de abril


Plataforma tem já 44 milhões de utilizadores


Com aplicações maliciosas disfarçadas de jogos para criança


Pelo menos no primeiro trimestre do ano


Por causa da pandemia do coronavírus