Gulbenkian financia iniciativas digitais que promovam saúde pública

2020-03-26 Como forma de promover a aceleração de respostas à situação causada pelo coronavírus, a Fundação Gulbenkian vai financiar até 10 soluções digitais de implementação rápida - plataformas eletrónicas ou aplicações - que promovam a saúde pública e a mitigação dos efeitos da pandemia em Portugal. A iniciativa enquadra-se no Fundo de Emergência criado pela Fundação para dar resposta à pandemia pelo coronavírus

Assim, com este programa, que se desenvolve sob forma de concurso, a Fundação procura soluções digitais que disseminem mensagens de saúde pública e informação fidedigna associada à pandemia; promovam cuidados de saúde remotos; promovam uma boa gestão da sintomatologia e da própria doença; mobilizem recursos e redes de apoio; ou que satisfaçam outras necessidades - identificadas, mas ainda não satisfeitas - resultantes da pandemia.

As soluções, que poderão ser apresentadas por entidades públicas e privadas, com ou sem fins lucrativas, sediadas em Portugal, terão de ser gratuitas, de acesso universal e de implementação imediata.

As candidaturas aos apoios previstos nesta categoria do Fundo de Emergência COVID-19 devem ser submetidas até dia 2 de abril.


2020-03-27 | Atualidade Nacional

Tendo em conta o adiamento por causa da pandemia


2020-03-27 | Atualidade Nacional

Com alterações significativas nos padrés de utilização dos serviços


2020-03-24 | Atualidade Nacional

Grupo quer manter caminho e trajetória em 2020, apesar dos grandes desafios


2020-03-24 | Atualidade Nacional

Operadores poderão limitar ou bloquear serviços


2020-03-24 | Atualidade Nacional

Para salvaguardar grupos nacionais face ao impacto da pandemia


2020-03-20 | Atualidade Nacional

Em comunicado conjunto anunciam 6 compromissos


2020-03-20 | Atualidade Nacional

Depois da recusa da Prisa em renegociar no prazo dado pelo grupo nacional


2020-03-19 | Atualidade Nacional

Reconhecendo os argumentos apresentados pelos operadores


2020-03-19 | Atualidade Nacional

Regulador diz estar a analisar pedido