Operadores querem valor do leilão 5G até 100 milhões

2020-01-24
Os três operadores de comunicações consideram que o valor do leilão de espetro para o 5G não deverá ultrapassar os cem milhões de euros no total, uma vez que o investimento na nova tecnologia móvel deverá ser bastante mais elevado do que o que foi realizado no 4G. Por isso, pedem ao Governo moderação, avança hoje o Jornal Económico. 

De acordo com o jornal, a Altice, NOS e Vodafone consideram que este limite será necessário para conseguirem assegurar os elevados investimentos que terão que realizar nos próximos anos para implementar a tecnologia. Se pagarem um valor demasiado elevado no leilão, esses investimentos serão ameaçados. Adiantam ainda que o custo total de implementação ter que ser inferior aos cerca de 250 milhões de euros investidos por cada players no 4G.

Tendo em conta o calendário da ANACOM, o arranque do leilão para a atribuição das licenças para o 5G será em abril e decorrerá até junho, prevendo-se que a a conclusão dos procedimentos de atribuição de direitos de utilização de frequências (DUF) seja feita entre junho e agosto. O que permitirá ao país cumprir as metas de Bruxelas, de em 2020 haver pelo menos uma cidade em cada estado-membro com oferta comercial da nova geração móvel.

Entretanto, terá de ocorrer o processo de migração da TDT, uma vez que esta opera numa das faixas de frequência necessárias para o 5G: os 700 MHz. Também nesta migração, o regulador definiu um calendário faseado, prestes a arrancar e a decorrer até final de junho. Enquanto concessionária da rede, a Altice Portugal tem vindo a alertar para a impossibilidade de cumprir os prazos e a decisão da ANACOM já foi impugnada judicialmente.

2020-02-14 | Atualidade Nacional

No âmbito da estratégia de diversificação de portefólio


2020-02-14 | Atualidade Nacional

Relatório de Tendências de Meios de Pagamento da Minsait


Embora impondo limites à participação da fabricante


2020-02-13 | Breves do Sector

Com apresentação dos novos Chromebooks


2020-02-12 | Breves do Sector

Novo serviço permite aos cientistas de dados construir modelos de aprendizagem automática potentes