Evento APDC

19.06
Outras iniciativas



Projeto "Impacto da Inteligência Artificial"

Líder da APDC debate futuro com IA em evento da EY com Expresso

Os riscos e as oportunidades no processo de mudança que os operadores de comunicações e de media enfrentam estarão em destaque estiveram em destaque na 4ª de um conjunto de cinco sessões do projeto "Impacto da Inteligência Artificial". Esta é uma iniciativa da EY onde o Expresso é media partner, que visa discutir a evolução e o impacto da tecnologia nas pessoas, organizações e sociedade. O presidente da APDC foi um dos oradores deste encontro, onde garantiu que, a médio e longo-prazo, a IA "não vai ser um problema político, mas uma questão civilizacional. Que nós neste momento ainda não conseguimos prever muito bem".
Segundo Rogério Carapuça, atualmente ainda nos encontramos na IA geral, mas esta questão de fundo vai colocar-se no futuro. Para já, defende que se "o que se fala é de transformação digital: do conjunto de ferramentas para fazer a transformação digital dos negócios e das organizações e da forma como nos organizamos enquanto pessoas". Este é um processo "que nem sempre corre bem. Um dos riscos da tecnologia é que não seja bem usada. E esse vai ser também um dos riscos da IA".
Assim, defende que "a escolha que hoje vamos fazendo é como é que fazemos a transformação digital para as empresas ficarem mais produtivas, os negócios melhorarem e os clientes ficarem mais bem servidos". Aqui, o setor das comunicações nacional, "de referência mundial e um daqueles em que o país não perdeu o comboio, sob qualquer métrica que utilizemos", será central. Sendo que a batalha se vai ganhar "não na tecnologia, mas no uso que dela se faz. Como é que vamos mudar os processos das organizações, o que é que fica para os humanos, como tudo se completa são as questões. Isso é o que vamos fazer no curto-médio prazo, numa curva de aprendizagem nas organizações que elas já perceberam que é muito elevada e rápida. Têm de formar pessoas, fazer projetos-piloto, colaborar com o resto da cadeia de valor".
Para já, e na sua perspetiva, "é essa agora a grande questão. Já no médio e longo-prazo a escolha é civilizacional. Aí teremos várias gamas de questões: escolhas de valores e um conjunto de questões que nem todas são de regulação, como a sua utilização para a guerra, o que é permitido ou não, e a parte regulatória, para compatibilizar ou procurar uma articulação entre o interesse do negócio das empresas e dos utilizadores". 
E avisa: "como não acredito que seja bom regular e legislar muito antes do tempo, antes de conhecer os problemas, espero que haja serenidade para não regular e legislar o que não é preciso, a coragem de regular e legislar o que é preciso e a sabedoria para distinguir a diferença".
Neste encontro, que decorreu a 19 de junho, no edifício Impresa, participaram ainda: Bruno Padinha, Chief Digital Officer da Impresa; David Oliveira, diretor e TMT Segment Leader da EY; Ricardo Costa, diretor-geral de informação da Impresa; Augusto Fragoso, diretor-geral de Informação e Inovação da ANACOM; Diogo Fernandes, vice-presidente de Estratégia & Desenvolvimento de Negócio da Talkdesk; Luísa Meireles, diretora de informação da Agência LUSA; Pedro Brandão, diretor de Market & Customer Intelligence da NOS; Ricardo Raposo, manager de Gestão de Produto da Vodafone Portugal; e Tiago Silva Lopes, diretor de Produtos e Serviços B2C da Altice.

Veja o evento em:
https://www.facebook.com/jornalexpresso/videos/impacto-da-intelig%C3%AAncia-artificial-nas-telecomunica%C3%A7%C3%B5es-e-media/388955376861305

https://www.linkedin.com/events/7204783047051763713/comments/

 


Programa


Vai acontecer na APDC

2024-09-11

10ª Sessão do Digital Union | APDC & VdA

2024-10-09

Decorre a 9 de outubro, em Lisboa