Atos avança com proposta de compra da DXC Technology

2021-01-20 A Atos quer comprar a DXC Technology, aumentando desta forma a sua presença nos Estados Unidos. Nesse sentido, já apresentou uma proposta de aquisição, que está agora a ser negociada. Pretende conseguir uma ransação amigável entre os dois grupos, que permita a criação de um líder em serviços digitais que beneficie de uma escala global, talento e inovação. No mercado, fala-se que a operação envolverá cerca de 10 mil milhões de dólares, mas o valor não foi confirmado por nenhuma das partes.

À Reuters, a Atos referiu que ainda não há certezas de que a sua oferta resulte num acordo ou transação e que um novo anúncio será feito, "se for caso disso". Também a DXC Technology confirmou que recebeu uma "proposta não solicitada, preliminar e não vinculativa da Atos para adquirir todas as ações da DXC Technology". Está agora a ser avaliada pelo respetivo conselho de administração. A tecnológica esclarece que antes de receber esta proposta não tinha conhecimento de qualquer interesse da Atos. "Continuamos focados em conhecer os nossos clientes, colaboradores e acionistas à medida que executamos a nossa jornada de transformação", referiu.

A concretizar-se, será a maior aquisição da história da Atos e aumentaria a presença da empresa francesa nos Estados Unidos, onde gerou cerca de 30% dos 11,59 mil milhões de euros inscritos no ano fiscal de 2019. O grupo tem vindo a desenvolver uma agressiva estratégia de aquisições. Só no último ano, tentou comprar cerca de 12 empresas, sendo a mais recente a Motiv ICT Security, uma empresa de cibersegurança sediada na Holanda, especializada em serviços de segurança geridos e serviços de centros de operações de segurança, e que deverá fechar no primeiro trimestre.

Grupo chega agora à Polónia com investimento de 1,6 mil milhões de euros


Para se definir mecanismo de partilha de receitas


HyperX alavanca oferta de periféricos para videojogos


Sobretudo na saúde, energia e produção industrial


Já contabilizando a aquisição da Altran


Com mudanças voluntárias de emprego e aumento de competências


Big techs têm dois meses para negociar com os media do país