Deloitte: Empresas mais resilientes aceleram no digital

2021-01-20 A disrupção causada pela crise pandémica levou a que, na generalidade, as organizações se tenham tornado mais resilientes e mais fortes, mais bem-adaptadas a flutuações e a obstáculos. Estão ainda a acelerar de forma determinada para a transformação digital da sua atividade. A conclusão é da 12ª edição do estudo Tech Trends 2021, da Deloitte.

"A capacidade de resiliência das organizações é o indicador que mais se destaca ao longo do último ano e aquele que vai prevalecer como ponto-chave para o futuro das organizações. A enorme disrupção digital e aposta na inovação de serviços continuará a estar no topo das prioridades estratégicas para as empresas e, por isso, a capacidade de tomada de decisão estratégica dos CIO's e dos executivos do C-level irão ser decisivas na sobrevivência e saída desta crise pandémica" refere Nuno Carvalho, Partner da Deloitte.

Segundo o estudo, que analisa a evolução tecnológica e identifica as tendências que irão ter maior impacto nas organizações, nos próximos 18 a 24 meses, as empresas aceleraram os seus investimentos de transformação digital, não apenas para tornar as operações mais ágeis e eficientes, mas também para responder às contantes flutuações da procura e responder às necessidades dos clientes.

Para as organizações que ainda estão a avaliar as mudanças dramáticas ocorridas em 2020, esta pesquisa identifica igualmente um conjunto de oportunidades, estratégias e tecnologias que irão marcar os planos de confiança das empresas durante os próximos anos. Entre as tendências que poderão criar novas oportunidades e desafios para os diversos setores de indústrias, nos próximos 18 a 24 meses, destacam-se as seguintes:

- Strategy, Engineered - A tecnologia é uma nova vantagem competitiva para algumas organizações e, simultaneamente, uma ameaça à sobrevivência de outras. Em resultado disso, a distinção entre estratégia corporativa e estratégia tecnológica está a ficar difusa. Os estrategas corporativos estão a olhar além das capacidades tecnológicas atuais da organização e dos concorrentes. Mas a complexidade das incertezas e inúmeras possibilidades podem ser demais para o cérebro humano processar e é, neste contexto, que as plataformas tecnológicas ganham espaço oferecendo a capacidade de obter análises avançadas, através da automação e da IA.

- Core Revival - Modernizar sistemas corporativos e migrá-los para a cloud pode ajudar a melhorar o potencial digital de uma organização, mas para muitas o custo das migrações e outras estratégias de modernização podem ser proibitivos. Isso está prestes a mudar. No que é uma tendência crescente, algumas empresas pioneiras estão a começar a usar acordos de outsourcing inteligentes para modernizar os seus negócios. Algumas estão ainda a explorar oportunidades para mudar os principais ativos para plataformas cada vez mais poderosas, incluindo opções de low-code. Num clima de negócios definido pela incerteza, estas abordagens inovadoras podem em breve tornar- se componentes padrão do manual de transformação digital de cada CIO.

- Supply unchained - Há muito considerado um centro de custo para os negócios, as cadeias de fornecimento estão a sair do backoffice e a surgir na linha da frente da segmentação de clientes e diferenciação de produtos. Fabricantes, retalhistas, distribuidores e outros, focados no futuro, estão a explorar novas formas de transformar o centro de custos da cadeia de abastecimento num ativo de valor acrescentado para o cliente. Estão a extrair cada vez mais valor dos dados que recolhem, a analisar e a partilhar esses insights nas suas redes de fornecimento. Algumas destas organizações estão inclusive a explorar oportunidades de usar robôs, drones e reconhecimento de imagem avançado. O tipo de interrupção que vimos com a pandemia pode muito bem tornar-se a norma. Quando o próximo evento global chegar, os líderes de tecnologia e da cadeia logística não poderão alegar que não o previram.

"A pandemia global teve um efeito disruptivo no nosso dia a dia e forçou-nos a tornarmo-nos mais adaptáveis e responsivos do que pensávamos ser possível. Planos confortáveis para o futuro foram condensados de anos para semanas. Esta realidade fez-nos sair da nossa zona de conforto, mas impulsionou mudanças importantes, e as tendências que estamos a apresentar trazem uma perspetiva mais promissora para o futuro", explica Rui Vaz, Partner da Deloitte.

Grupo chega agora à Polónia com investimento de 1,6 mil milhões de euros


Para se definir mecanismo de partilha de receitas


HyperX alavanca oferta de periféricos para videojogos


Sobretudo na saúde, energia e produção industrial


Já contabilizando a aquisição da Altran


Com mudanças voluntárias de emprego e aumento de competências


Big techs têm dois meses para negociar com os media do país