Equinix anuncia 5 previsões sobre o impacto do 5G no setor automóvel

2020-12-03 Ter infraestruturas digitais interconectadas e um eficaz fluxo de dados entre fabricantes de equipamentos originais (OEMs) e operadores móveis são fatores essenciais para uma implementação do 5G bem-sucedida no setor automóvel. A afirmação é da Equinix, empresa mundial de infraestrutura digital, que acaba de publicar cinco previsões sobre o impacto que o novo standard de comunicações móveis 5G terá no sector automóvel e na infraestrutura digital subjacente.

Esta análise lança luz sobre como os OEMs e os operadores móveis estão a adaptar a sua infraestrutura digital e a utilizar ecossistemas de parceiros para extrair todo o potencial do 5G, potenciando o desenvolvimento dos veículos conectados e dos novos serviços baseados em dados.

Com a crescente presença global da Equinix em mais de 60 mercados - e o seu posicionamento como um ponto de agregação que reúne o ecossistema globalmente conectado dos OEMs do sector automóvel, os fabricantes de sistemas de primeira linha, as empresas autotech, assim como mais de 1800 provedores de serviços de rede e mais de 2900 provedores de cloud - o grupo consegue ter visão única e holística sobre as tendências de evolução da infraestrutura digital.

Assim, e para tirar partido do 5G, os fornecedores móveis e os players da área da mobilidade deverão transformar a sua infraestrutura digital, aproveitando os ecossistemas partilhados. O  5G tem o potencial de trazer grandes avanços, não apenas para o setor automóvel, mas para toda a área da mobilidade. No entanto, para concretizar este potencial, é preciso que haja um elevado nível de interoperabilidade e de abertura. Deste modo, os OEMs tradicionais e os fabricantes de sistemas e componentes de primeiro nível deverão afastar-se cada vez mais dos modelos de arquitetura de TI centralizada e isolada, adotando uma abordagem dinâmica e colaborativa, baseada na partilha de dados e na cooperação com os pares da indústria, através de consórcios e novas parcerias.

A Equinix prevê que, à medida que o 5G for sendo implementado, os players do futuro ecossistema da mobilidade, incluindo os fornecedores móveis, terão de adaptar as suas infraestruturas digitais, colocando uma maior ênfase na interconexão direta e privada e assegurando a sua presença num ecossistema automóvel digital, que reúna OEMs, provedores de serviços e de tecnologia, bem como provedores móveis, de rede e de cloud.

Os recursos de gestão de dados estão a aproximar-se do edge. A tecnologia 5G vai conduzir a um aumento exponencial dos dados utilizados no setor automóvel. Estima-se que os veículos conectados mais avançados representem um fluxo de dados de 1GB por veículo/dia. Mas, fruto do desenvolvimento das funcionalidades, este valor irá crescer 30 vezes até 2025, atingindo 1TB de dados por veículo/mês.

Esta constatação vem criar a necessidade de uma largura de banda significativamente maior e de recursos de processamento de dados mais rápidos, localizados perto dos utilizadores finais e dos dispositivos móveis - no digital edge. Por outro lado, o novo standard 5G possui um alcance de rede mais limitado do que o atual 4G, devido ao facto de recorrer a frequências de rádio mais altas, exigindo que os operadores implementem mais equipamentos de rádio, mais capacidade ótica e mais pontos de rede, para conseguirem cobrir a mesma área geográfica. A Equinix antevê, portanto, um aumento significativo nas capacidades de edge computing locais.

Começando nos centros urbanos mais densamente conectados, onde as infraestruturas digitais já estão habilitadas, o lançamento do 5G levará a uma expansão das capacidades de "Multi-access Edge Computing" (MEC), que permitem trazem a cloud até ao digital edge, proporcionando recursos de computação física e/ou virtual com uma latência ultrabaixa de apenas um dígito. Isto permitirá melhorar o desempenho das aplicações, bem como a fiabilidade e a eficiência geral da rede. Neste domínio, os grandes data centers de interconexão e colocation desempenham um papel central, pois fornecem aos provedores de serviços de rede pontos de agregação e interconexão direta e segura entre os nós de rede 5G. Assim, os operadores móveis poderão reduzir a utilização de pontos de rede, minimizando os investimentos iniciais.

O 5G vai também possibilitar as tecnologias V2X (Vehicle-to-Everything), habilitando os veículos conectados e as aplicações smart city. Vem assim permitir avanços importantes na área das tecnologias V2X, que permite a comunicação dos veículos uns com os outros, assim como com os pedestres e com as infraestruturas de gestão das estradas, tráfego e TI. Esta comunicação tornará as estradas mais seguras e menos congestionadas, melhorando igualmente a experiência de condução.

Graças à conectividade de banda larga do 5G, os veículos conectados poderão beneficiar de atualizações over-the-air, transmissão de dados entre viaturas e serviços inteligentes. Com uma taxa composta de crescimento anual (CAGR) de 28%, o mercado V2X deverá atingir um volume superior a 30 mil milhões de dólares até 2035. A Equinix espera que este desenvolvimento arranque nos centros urbanos mais densamente interconectados, dotados de recursos de edge computing suficientes. Para concretizar os benefícios permitidos pelas tecnologias V2X e pelas cidades inteligentes, é necessária uma infraestrutura aberta e neutra, que interconecte os players do ecossistema da mobilidade, os provedores de serviços digitais e de rede e outros componentes da infraestrutura da cidade. Este sistema permitirá que os veículos partilhem dados e analisem eficazmente a área circundante e os demais intervenientes no trânsito.

Antecipa-se ainda que o 5G desbloqueará novas oportunidades de negócio para os OEMs - especialmente na área do entretenimento e serviços inteligentes. Embora, no passado, os fabricantes de automóveis se tenham focado mais nas melhorias em termos de engenharia, a mudança para a era dos veículos conectados, autónomos, partilhados e elétricos (CASE) - acelerada com a expansão do 5G - está a obrigar os construtores a repensar os seus modelos de negócio, dando primazia crescente aos serviços baseados em dados.

O 5G foi desenvolvido a pensar nos serviços empresariais avançados. Permite taxas de transferência de dados significativamente mais elevadas, menor latência e mais dispositivos ligados em simultâneo, além de assegurar uma mobilidade melhorada, bem como uma melhor eficiência energética da rede. Isto abre caminho para que os OEMs invistam em serviços digitais de ponta, incluindo sistemas avançados de assistência ao condutor (ADAS), alta definição (HD), infotainment com realidade aumentada e/ou virtual (AR/VR), além de outros serviços avançados, como o estacionamento inteligente e a segurança de trânsito. Para aumentar o potencial de receita e permitir novos serviços de baixa latência, os operadores 5G e os OEMs irão recorrer a ecossistemas de parceiros dentro de data centers, incluindo ecossistemas de negócios digitais, peering de rede, IoT móvel, bem como serviços em hiperescala.

Por último, a Equinix diz que o 5G vai potenciar a indústria automóvel, permitindo o uso em larga escala de aplicações IIoT mais complexas. Além dos benefícios para os condutores, o 5G também irá transformar a produção automóvel. A recolha e análise de dados por meio de dispositivos IoT - auxiliada pela elevada velocidade de transmissão do 5G - proporcionará uma maior monitorização de todo o processo de produção. Os sensores conectados permitirão que os fabricantes obtenham perceções significativas sobre a interação em tempo real entre máquinas, sistemas, ativos e coisas.

Assim, antecipa-se que os OEMs aproveitem, cada vez mais, o 5G para implementarem projetos complexos no domínio da Industrial Internet of Things (IIoT), incluindo a manutenção preditiva, reduzindo significativamente as despesas operacionais e os tempos de inatividade. A IoT também pode ser usada para monitorizar as cadeias de fornecedores do sector automóvel, tornando mais eficiente o uso dos equipamentos. Por fim, espera-se que o 5G potencie também a utilização da robótica nas linhas de montagem, permitindo a monitorização otimizada e o uso de dados provenientes de sensores IoT, resultando numa maior precisão e custos reduzidos.

Para conseguirem trabalhar em conjunto e fornecer melhores insights, estes dispositivos terão de estar dinamicamente integrados com redes, clouds e ecossistemas digitais, por meio de interconexão rápida, segura e de baixa latência. Os OEMs podem aproveitar a interconexão direta para se interligarem a ecossistemas IoT emergentes e aos principais provedores cloud, acelerando a inovação na área da mobilidade conectada, inteligente e sustentável.

"O 5G vai abrir um mundo de possibilidades interessantes para a indústria automóvel. Mas há um grande desafio pela frente, que consiste em saber como será possível armazenar, transferir e processar com segurança os enormes volumes de dados gerados diariamente pelos veículos conectados. Apenas uma infraestrutura de TI distribuída e escalável será capaz de suportar a recolha, assimilação e análise desta gigantesca quantidade de dados. A Equinix disponibiliza uma plataforma digital poderosa, proporcionando, aos fabricantes de automóveis, o acesso direto a um ecossistema global do sector, que permite a colaboração com os provedores móveis e os consórcios da indústria, bem como a implementação de arquiteturas multicloud híbridas no digital edge. Isto permite ajudar as empresas a melhorar o desempenho, escalabilidade e resiliência, enquanto reduz as preocupações em termos de segurança e conformidade dos dados", refere Carlos Paulino, Managing Director da Equinix Portugal.















Portugal é exceção, a par do Chipre, Lituânia e Malta


Até 2030 reduzirá em 50% as emissões por consumo de energia


Everything-as-a-service e conectividade ampliada são algumas


Estudo Tech Trends analisa tecnologias emergentes dos próximos 18 a 24 meses


Por cerca de 10 mil milhões de dólares


Europa defende que regulação digital cabe aos governos


Depois de assumir compromissos para com a privacidade com a CE