Google põe fim a disputa legal com 40 Estados americanos

2022-11-17

A gigante tecnológica acordou o pagamento de 391,5 milhões de dólares, pondo um fim numa disputa legal que envolvia 40 Estados americanos. Estes acusavam a big tech de práticas abusivas na gestão de dados dos utilizadores. É o maior acordo de sempre nos Estados Unidos para pôr fim a uma disputa sobre direitos de privacidade.

 

A acusação assentava no incumprimento das leis de proteção de privacidade dos consumidores, uma vez que a política de informação da Google era pouco clara sobre os dados de localização que guardava de cada utilizador, mesmo quando a opção de manter histórico de localização nos seus serviços era desligada. 

 

No acordo agora obtido, a tecnológica assume também o compromisso de melhorar significativamente a informação que divulga sobre os sistemas de localização nos seus serviços. Vai ainda passar a tornar toda a informação que precisa de partilhar sobre localização mais acessível aos utilizadores, fornecer informação detalhada sobre os tipos de dados de localização recolhidos e a forma como são utilizados, numa página web melhorada de "Tecnologias de Localização".

 

Como destacou Ellen Rosenblum, procuradora-geral do Oregon, "durante anos, a Google privilegiou o lucro sobre a privacidade dos seus utilizadores", já que conseguia saber a localização do utilizador mesmo quando este desligava o histórico de localização de serviços como a pesquisa ou os mapas. A situação foi denunciada em 2018 e deu início a uma investigação dos procuradores-gerais, que mais tarde avançaram com um processo.

 

Um porta-voz oficial da Google avançou que, "em consistência com as melhorias que fizemos nos últimos anos, resolvemos esta investigação, baseada em políticas de produtos desatualizadas e que mudámos há anos".

 


Mostra estudo sobre inflação e desafios das empresas


Criando equipa específica para o efeito


Mantendo a sua expansão estratégica


Mostram os dados da 7ª avaliação ao Código de Conduta Europeu


Destinadas à utilização pelas companhias aéreas


Com redução em 12% da sua força de trabalho mundial


Segmentação de anúncios para menores é outra preocupação


Depois de Bruxelas anunciar que está a ver o negócio


Comissão Europeia mostra-se preocupada com situação