Tráfego europeu de dados móveis deverá triplicar até 2028

2023-11-28

O tráfego de dados móveis na Europa deverá quase triplicará nos próximos cinco anos, impulsionado pela migração 4G na Europa Central e Oriental e pelas melhorias crescentes na cobertura e capacidade 5G. A previsão é do Relatório Anual da Economia Móvel Europeia, da GSMA mostra que a telefonia móvel contribuiu com 910 mil milhões de valor para a economia europeia no ano passado. Ao mesmo tempo antecipa que os operadores móveis vão continuar a enfrentar grandes desafios de investimento, à medida que a procura de largura de banda aumenta.
O estudo revela que os utilizadores de 5G estão interessados em adicionar serviços e conteúdos de elevada largura de banda aos seus contratos móveis, à medida que a procura de jogos de alta qualidade, realidade estendida e conteúdo de vídeo cresce. Por sua vez, este perfil de procura exigirá um investimento contínuo nas redes móveis europeias por parte dos operadores, que deverão gastar mais de 198 mil milhões de euros na atualização das suas redes até 2030.
O relatório indica que as tecnologias e serviços móveis gerarem 4,3% do PIB em toda a Europa em 2022 e que o ecossistema empregava 2,2 milhões de pessoas, direta ou indiretamente. A produtividade baseada na mobilidade contribuiu com 670 mil milhões de euros para a economia europeia, enquanto a contribuição dos próprios operadores gerou 110 mil milhões de euros.
Até 2030, espera-se que a contribuição econômica do setor atinja um bilião de euros, impulsionada principalmente pela expansão contínua do ecossistema e dos segmentos, que beneficiarão das melhorias na produtividade e eficiência proporcionadas pela adoção de serviços móveis.
Este trabalho antecipa que o 5G se tornará a tecnologia móvel dominante da Europa nos próximos três anos, impulsionado pela adoção na Alemanha e no Reino Unido. Até 2030, deverá chegar a 87% de todos os utilizadores de redes móveis. E espera-se que beneficie uma série de setores de atividade, à medida que as economias europeias incorporam casos de uso do 5G. 
Assim, até 2030, cerca de 53% dos benefícios comerciais do 5G terão origem nos setores de serviços, enquanto quase 30% virão da produção, impulsionada por aplicações como fábricas inteligentes, cidades inteligentes e redes inteligentes. Para o efeito, o 5G ajudará a impulsionar o crescimento do PIB europeu, representando 153 mil milhões de euros de benefícios económicos até à próxima década e representando cerca de 15% do impacto económico global do setor móvel. Muitos destes benefícios irão materializar-se nos próximos cinco anos.
No entanto, o crescimento contínuo do 5G é moderado por preocupações sobre o impacto das políticas que impedem o investimento em tecnologias de rede de próxima geração na Europa. O que ameaça a liderança digital do bloco globalmente, bem como suas ambiciosas metas da "Década Digital". O estudo exemplifica com o caso da adoção europeia de 5G standalone, que continua atrás de outras regiões: no final de 2022, apenas 5% das redes 5G vna Europa eram 5G SA, em comparação com 25% na Ásia-Pacífico, um reflexo do ambiente operacional desafiador que os operadores na Europa continuam a enfrentar, com a fragmentação do mercado e os baixos retornos.
"A Europa tem um forte historial de liderança em tecnologias móveis e digitais, mas é agora necessário um investimento forte e sustentado nas redes para recuperar essa liderança face à concorrência global. Estamos encorajados a ver os decisores políticos europeus agora a enfrentar essa realidade e a examinar o potencial de uma mudança política significativa em áreas como a consolidação, harmonização do espectro e criação de modelos de investimento mais justos para infraestruturas, à medida que avançamos para 2024. O nosso relatório mostra que é necessário agir agora, para dar aos cidadãos e às empresas europeias a infraestrutura digital de que necessitam para o futuro", afirma em comunicado Daniel Pataki, vice-presidente de Política e Regulamentação e chefe para a Europa da GSMA.
No trabalho, destacava-se também que o fosso de utilização da internet móvel continua a diminuir, com mais de 460 milhões de europeus - 85% - agora ligados, reduzindo o fosso para apenas 14%. A maioria dos países europeus tem cobertura de internet por telemóvel com vários países. Dinamarca, Itália, Espanha e Portugal ficaram em 2022 com uma cobertura acima dos 90%. 
 


Todo o portefólio de soluções do grupo passará a ter a tecnologia


Gigante norte-americana apresenta resultados trimestrais a 21 de fevereiro


Para trazer maior escala ao mercado europeu


Para fornecer soluções integradas às organizações


Falta a adoção formal pelo Parlamento e pelo Conselho europeus


De acordo com o estudo “The Age of Adaptabiliy”


Threat Landscape Report, da S21sec


Antecipando um ano repleto de inovações para democratizar o acesso à tecnologia