UE e EUA renovam acordo de semicondutores

2024-04-12

UE e EUA acabam de renovar por mais três anos o acordo de cooperação na identificação de perturbações no setor de semicondutores. Especialmente no que diz respeito aos principais chips legacy da China. Assim, vão partilhar informações de mercado sobre políticas e práticas não mercantis que consideram que prevalecem na China, assim como coordenar eventuais ações planeadas para resolver as disrupções na cadeia de abastecimento global.
As duas potências reuniram-se, no âmbito do Conselho de Comércio e Tecnologia, e emitiram uma declaração conjunta sobre o acordo. Como referiu Margrethe Vestager, vice-presidente da Comissão Europeia, foram dados os "os próximos passos" em relação aos semicondutores legacy.
De acordo com Gina Raimondo, secretária de Comércio dos EUA, a China produz cerca de 60% dos chips legacy, que podem ser encontrados em carros, eletrodomésticos e dispositivos médicos, e continuará a fazê-lo nos próximos anos. "Sabemos que há um subsídio massivo a esta indústria, em nome do governo chinês, o que poderia levar a uma enorme distorção do mercado. E é por isso que estamos focados nisto", referiu.
Destacou ainda que o Departamento do Comércio lançou um inquérito para a avaliação da perturbação do mercado de semicondutores e que a UE encetará uma iniciativa semelhante em breve, estando ambos os parceiros dispostos a partilhar os seus resultados respetivos. 


Para garantir que utilizadores separam factos da ficção


Para ampliar capacidade dos seus centros de dados


Fabricante de chips regista números recorde


Empresas ainda não estão a dar prioridade ao tema


De acordo com novo relatório da Salesforce


No âmbito do seu maior evento de tecnologia


Empresa revela dados do Wolf Security Threat Insights Report


Para acelerar ofertas aos clientes


Além dos projetos similares nos Países Baixos e Bélgica


Através de nova iniciativa “Value Generation”