Vodafone compromete-se a atingir a neutralidade carbónica até 2040

2020-11-24 O grupo Vodafone comprometeu-se a atingir a neutralidade carbónica até 2040 e confirmou que as suas metas de redução de carbono para 2030 foram aprovadas pela Science Based Targets Initiative (SBTi). Estão assim em linha com as reduções que é necessário atingir para se conter o aumento da temperatura média global a 1,5 ºC, a meta mais ambiciosa do Acordo de Paris. Neste âmbito, já a partir de abril de 2021, a Vodafone Portugal vai comprar 100% da sua eletricidade de fontes renováveis.

Assim, até 2030, o grupo eliminará todas as emissões diretas de carbono decorrentes das suas próprias atividades e da eletricidade que adquire e utiliza. Compromete-se ainda a reduzir para metade as emissões indiretas de carbono provenientes de outras fontes emissoras, incluindo joint-ventures, todas as compras na cadeia de valor, da utilização dos produtos que comercializa e das viagens de negócio.

Em 2040, a Vodafone terá eliminado por completo as emissões indiretas de outras fontes emissoras, antecipando em dez anos o compromisso inicial do grupo de atingir zero emissões na sua pegada de carbono em 2050.

A Vodafone acredita na liderança pelo exemplo, pelo que hoje prometemos tornar-nos totalmente neutros em emissões de carbono até 2040. Estamos comprometidos em reduzir a nossa pegada de carbono através da melhoria da nossa eficiência energética, da utilização de energia renovável, da redução dos resíduos da rede e da integração de novos critérios ambientais no processo de seleção de fornecedores. A Vodafone também contribuirá para que os nossos clientes possam reduzir a sua pegada ambiental através da utilização dos nossos serviços, incluindo a Internet of Things (IoT)", refere o seu CEO, Nick Read.

O contributo da Vodafone Portugal para o compromisso global de neutralidade carbónica começa já a partir de abril 2021, através da aquisição de 100% de eletricidade de fontes renováveis. Esta medida insere-se num plano abrangente que o operador nacional tem vindo a implementar ao longo dos últimos anos, tendo em vista a redução da sua pegada de carbónica.

A otimização dos consumos de energia, através da implementação de sistemas de refrigeração mais eficientes, a reutilização e reciclagem dos resíduos eletrónicos, o desenvolvimento e instalação de funcionalidades e equipamentos na rede cada vez mais eficientes, ou a implementação da fatura eletrónica para todos os clientes têm sido algumas das iniciativas que a Vodafone Portugal tem vindo a implementar ao longo dos últimos anos para permitir uma melhoria do desempenho ambiental. Assim como a otimização das embalagens dos produtos e incentivos para aquisição de viaturas elétricas para a frota.

"O desafios sociais e ambientais que a Humanidade enfrenta são muito vastos e cada vez mais imprevisíveis, como a atual pandemia que estamos a viver. É, por isso, necessário o empenho de todos para conseguir uma sociedade mais sustentável, mobilizando Governos, Empresas e a Sociedade Civil. Estamos a fazer a nossa parte, contribuindo para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas que a Vodafone apoia desde 2015, intervindo através do potencial da tecnologia, das redes de comunicações e serviços que disponibilizamos aos nossos Clientes, entre as quais se conta o desenvolvimento de soluções para tornar as cidades e comunidades sustentáveis através de tecnologias de última geração como a IoT, 5G ou Inteligência Artificial", diz Mário Vaz, CEO da Vodafone Portugal.

A par das medidas já referidas, ao longo da última década a Vodafone Portugal também tem vindo a apostar cada vez mais no digital para melhorar o seu desempenho ambiental, com a promoção, há já vários anos, da partilha digital de informação, realização de reuniões virtuais, armazenamento em arquivos digitais, software na nuvem e a política de trabalho a partir de casa, agora intensificados com a atual situação pandémica.

Em 2019, o grupo Vodafone comprometeu-se a adquirir toda a eletricidade proveniente de fontes renováveis, reduzindo para metade a sua pegada ambiental até 2025 e reutilizar, revender ou reciclar 100% dos resíduos da sua rede, apoiando a transição para uma economia mais circular. Até julho de 2021, a rede europeia do grupo será alimentada por eletricidade 100% renovável - criando uma Green Gigabit Net, para os clientes em 11 mercados, que utilizará gradualmente de forma sustentável energia de fontes eólica, solar ou hídrica.

Em julho de 2020, a Vodafone também anunciou uma nova meta ambiciosa para apoiar os clientes empresariais que usam os seus serviços a reduzir as suas próprias emissões de carbono em um total acumulado de 350 milhões de toneladas globalmente ao longo de 10 anos, entre 2020 e 2030. E em setembro, tornou-se uma das primeiras empresas globais a anunciar que avaliaria os compromissos dos fornecedores com o meio ambiente, a diversidade e a inclusão aquando da apresentação de propostas para prestação de novos serviços, passando a avaliação destes critérios a ter um peso de 20%. O processo atual de avaliação de propostas de fornecedores tem em consideração a existência de políticas ambientais para endereçar a redução de carbono, utilização de energia renovável, redução de plástico, economia circular e ciclo de vida do produto.


Até 2030 reduzirá em 50% as emissões por consumo de energia


Everything-as-a-service e conectividade ampliada são algumas


Estudo Tech Trends analisa tecnologias emergentes dos próximos 18 a 24 meses


Por cerca de 10 mil milhões de dólares


Europa defende que regulação digital cabe aos governos


Depois de assumir compromissos para com a privacidade com a CE


Para consolidar capacidades na transformação dos clientes