CTT descem lucros em 15% no 1º semestre

2022-07-28 Os CTT registaram resultados líquidos de 14,5 milhões de euros no 1º semestre do ano, o que representa uma quebra homóloga de 15,3%. Mas, contabilizando apenas o 2º trimestre, os lucros apresentaram uma melhoria de 7,9%, fixando-se em 9,2 milhões. Também o EBITDA, recuou no semestre 12%, para 50,446 milhões de euros. Já os rendimentos operacionais cresceram 8,2%, para um total de 446,4 milhões.
A empresa diz que os valores foram influenciados negativamente pela evolução do EBIT (-10,3 milhões de euros), com o decréscimo verificado nas diversas áreas de negócio, exceto o Banco CTT, e positivamente pelos resultados financeiros (+700 mil euros) e pelo imposto sobre o rendimento do período (-6,9 milhões de euros)".
Entre janeiro e junho, os CTT conseguiram 241,6 milhões com o negócio tradicional do correio, mais 24 milhões (+11%) que no primeiro semestre de 2021. A queda do volume de correio, explicada pela digitalização das comunicações, desacelerou para um mínimo de cinco anos.
De acordo com o comunicado dos resultados consolidados do grupo, "o crescimento desta área de negócio foi impulsionado pelo segmento de soluções empresariais (+34,6 milhões de euros), refletindo a integração da empresa New Spring Services na oferta dos CTT em setembro de 2021 (+11,9 milhões de euros) e o crescimento de 22,7 milhões de euros do negócio base de soluções empresariais, em grande medida devido a uma receita relacionada com um projeto de venda de computadores iniciado no último trimestre de 2021 (+21,5 milhões de euros)".
Já o tráfego de correio endereçado, excluindo o correio internacional de entrada, registou no primeiro semestre uma queda de apenas 2,2% em termos homólogos, o que nunca tinha ocorrido nos últimos cinco anos. A receita associada cresceu 1%., o que resultou do "bom desempenho do canal empresarial, que permitiu mitigar a redução da atividade no canal de retalho devido à menor procura de pacotes postais de e-commerce, o que resultou numa pressão no preço médio".
Também o negócio do Expresso e Encomendas se ressentiu, com um recuo de 2,5% nas receitas, para 122,7 milhões de euros. A empresa recorda que "o primeiro trimestre de 2022 foi impactado por um comparável difícil face ao período homólogo. O primeiro trimestre de 2021 foi marcado pelos efeitos das restrições da pandemia de Covid-19, nomeadamente o segundo confinamento, que impulsionou fortemente o crescimento da atividade de e-commerce".
Quanto ao Banco CTT, os rendimentos operacionais atingiram 57,9 milhões de euros no semestre, mais 26,8%, com a melhoria da margem financeira, que atingiu 34,4 milhões de euros (+33,7%).
O grupo registou gastos operacionais de 425,72 milhões de euros, com um aumento de 11,5%. Um agravamento explicado pelos aumentos nos gastos com pessoal, mas também nos fornecimentos e serviços externos (onde se inclui o efeito inorgânico da compra da New Spring Services). A dívida líquida da empresa a 30 de junho era de 92,2 milhões de euros, mais 65,2% face ao passivo registado em 31 de dezembro.


2022-09-26 | Atualidade Nacional

Anacom lança campanha a relembrar obrigatoriedade dos operadores


2022-09-22 | Atualidade Nacional

Operador romeno vai desenvolver rede de 5G própria sobre a rede do grupo


2022-09-22 | Atualidade Nacional

Num valor estimado em 8 milhões de euros em dois anos


2022-09-21 | Atualidade Nacional

Alertando para que os objetivos europeus para 2030 estão em risco


2022-09-20 | Atualidade Nacional

Serão os consumidores que vão impulsionar o mercado


2022-09-15 | Atualidade Nacional

Fibra já chega a mais de 90% dos alojamentos


2022-09-14 | Atualidade Nacional

Por auto-favorecimento na publicidade online


2022-09-14 | Atualidade Nacional

Em desenvolvimento e manutenção de soluções tecnológicas